Nova fase de Velho Chico reforça estilo excêntrico e caricato do diretor Luiz Fernando Carvalho

Velho Chico nova fase

A nova e fase de Velho Chico chegou nesta segunda-feira (11) e apresenta a partir de agora a etapa contemporânea da novela de Benedito Ruy Barbosa, que já passou por duas mudanças de tempo anteriores a essa.

Se nos primeiros capítulos já foi possível perceber a marca registrada do diretor Luiz Fernando Carvalho, com seu olhar cinematográfico e cuidado único e primoroso com a fotografia, cenários, figurinos e maquiagem, na terceira fase ele reforça ainda mais seu toque peculiar na trama.

Com personagens caracterizados de maneira excêntrica e caricata, com cores e texturas transbordando a tela da televisão, a nova etapa de Velho Chico promete ainda mais romance, conflitos e atuações mais encorpadas, realizadas por atores de peso como Antonio Fagundes (Afrânio), Domingos Montagner (Santo) e Camila Pitanga (Teresa).


O trio principal da trama, juntamente com outros destaques como Marcos Palmeira (Cícero), Marcelo Serrado (Carlos Eduardo) e correndo por fora Christiane Torloni (Iolanda), prometem aquecer de vez o folhetim, que apesar de muito bem cuidado estéticamente, ainda não conquistou o público completamente.

Selma Egrei, a já centenária Encarnação, ainda vai seguir com suas maldades e jeito megera de ser.

O renascer do amor proibido entre Teresa e Santo será o ponto central da nova fase, costurada pelo contexto político, social e econômico, que sempre permeia as histórias de Benedito Ruy Barbosa.

A riqueza de detalhes e o primor técnico e visual de Velho Chico, já coloacaram a novela em um novo patamar de produção audiovisual em teledramaturgia, resta agora saber se até o fim a novela vai conseguir fisgar o telespectador que anseia pela quimíca entre o casal de mocinhos e as maldades dos vilões que farão de tudo para impedir esse amor sertanejo.