Liberdade Liberdade! crítica

Liberdade, Liberdade! nova novela das 23 horas da Globo passou por muitas mudanças antes de estrear, o que gerou uma certa desconfiança sobre o conteúdo que seria apresentado, mas se restava alguma dúvida de que seria uma obra prima, ela já foi por terra logo no primeiro capítulo, nesta segunda-feira (11).

Baseada no livro “Joaquina, Filha do Tiradentes” da autora Maria José de Queiroz, a novela, um argumento de Márcia Prates, com texto de Mário Teixeira e direção de Vinícius Coimbra, mistura a história real de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, mártir da Inconfidência Mineira, com enfoque ficcional em sua filha Joaquina.

O primeiro capítulo mostrou com agilidade a parte real da história, com a descoberta pela coroa portuguesa, das intenções de revolução de Tiradentes, sua prisão e morte. Com pinceladas rápidas, foram apresentados alguns dos personagens que prometem e muito ao longo da trama, como Rubião (Mateus Solano), que por sinal já protagonizou um dos muitos nudes que a novela deve mostrar ao longo dos 67 capítulos, Lília Cabral a cafetina Virgínia, Marco Ricca com seu sotaque mineiro perfeito na pele do saqueador Mão de Luva e Ricardo Pereira, o Coronel Tolentino, que terá um romance gay com André, personagem de Caio Blat, que ainda será introduzido na novela.


Letícia Sabatella, Chris Couto, Dalton Vigh e especialmente Lu Grimaldi no papel da rainha Maria de Portugal, também conhecida como A Louca, também arrassaram logo de cara.

Liberdade, Liberdade! mostrou no primeiro capítulo que promete ser uma novela de época tradicional, com elementos típicos como romance, conflitos, vilania e mocinhos, herois bem definidos.

Fotografia impecável, figurinos e maquiagem completamente realistas, tanto para o luxo da corte quanto os para os trajes pobres da colônia, cenários bem característicos e paisagens clássicas do barroco e natureza mineira completam a estética visual da trama.

Diálogos rápidos, edição ligeira, aventura, romance e ação recheiam o enredo de Liberdade, Liberdade!, que conta ainda com uma belíssima trilha sonora, com destaque para o tema da abertura, “Francisco”, na voz inconfudível e mais mineiro do que qualquer outro, Milton Nascimento.