A vida nada fácil de um Repórter Cinematográfico Internacional

Joaquim Leite Neto

Meu DEUS do ceú… o que é isso? Essa foi a pergunta que ouvi as 8:50AM do dia 11 de setembro de 2001. Ninguém sabia o que estava acontecendo… Coisa boa não era. Corri peguei o telefone, e liguei para a TV Band… no momento estava no Ar o Programa “Dia Dia” no qual uma amiga era a diretora… Oi Catarina, tudo bem? estou ligando, para dizer que um avião acabou de bater em uma das torres do WTC em NY. Serio Neto? entao entra agora ao vivo no programa ok. Vamos agora ao vivo aos Estados Unidos, falar com Joaquim Leite Neto.

Joaquim, o que aconteceu? Bom dia Tavinho… Há poucos minutos um avião bimotor se chocou com uma das torres do WTC, Não sabemos ainda a causa, e nem quantas pessoas estavam abordo, e se alguém foi atingido dentro do prédio. E foi assim que passei a ser um dos primeiros Jornalistas a entrar ao vivo no 11/09/2001 em rede nacional no Brasil.

Depois ainda falei ao vivo na TV Globo com o Carlos Nascimento e a Ana Paula Padrão e também em algumas rádios. O resto desse dia escuro, que deixou um rastro de medo e perguntas sem respostas… vocês sabem o que aconteceu e ainda acontece pelo mundo a fora.


Meu nome é Joaquim Leite Neto, Brasileiro/Americano, 20 anos morando na capital americana Washington,DC. Quando resolvi mudar para os E.U.A. não tinha idéia que faria tantas coisas interessantes, e que passaria por tantas coisas que marcaram o mundo e muitas vezes até chocaram…

KATRINA, E.U.A

KatrinaGRIPE SUÍNA, MÉXICO

MexicoTERREMOTO, HAITI

HaitiTERREMOTO, JAPÃO
GUERRA NO IRAQUE
GUERRA NO AFEGANISTÃO
GOLPE MILITAR EM HONDURAS 2009 e etc…

Logico, que a vida de um Repórter Cinematográfico no exterior, não é so desgraças, também fiz coisas boas… Durante quatro anos, fiz a cobertura do Oscar, entrevistas com atores e Premio Nobel e muitas viagens… dos 50 estados americanos, ja visitei 46. Pelo o mundo a fora ja foram 64 Países.

Sem dúvida, que ficam coisas na cabeça, que são difíceis de apagar… coisas que você tenta segurar o choro e não consegue. Coisas que te faz rir sem parar… Lugares que você passa e espera nunca mais voltar e outros que passaria o resto da vida por lá.

Viver fora do seu país de origem, é um grande desafio, mesmo com muito conhecimento geral, nao é suficiente para convencer a si próprio que vai dar tudo certo. O que te faz continuar, é a vontade de vencer e vencer… de mostrar que tudo é possível. Nessas viagens, aprendi muito a respeitar, amar, ajudar, entender e principalmente a viver cada minuto como se fosse o ultimo. Digo isso porque, quando cheguei no Haiti, e vi tantos corpos espalhados pelas ruas, muitos no lixo com porcos, uma vala comunitária, onde esses corpos eram jogados. Cenas de horror… lembro, quando cheguei em uma escola primaria, onde estudavam 250 crianças, dez minutos antes do tremor, 60 delas foram liberadas e 190 ficaram estudando… 90 sairam com vida, mas poucas iriam sobreviver, devido os ferimentos graves e a falta de recursos médicos… Bem ali embaixo dos meus pés, tinham mais ou menos umas cem crianças, que já faziam mais de 24HRS que estavam soterradas, sem dar nenhum sinal de esperança, para os gritos dos que estavam ali fora, fossem ouvidos. Confesso que o meu coração, ficou pequeno e apertado. A vida nada fácil de um Repórter Cinematográfico Internacional, é apenas mais um desafio, para os que não gostam da rotina do DIA DIA.

Por Joaquim Leite Neto
www.facebook.com/joaquim.l.neto