Texto ruim e atuações fracas contrastam com belos cenários de Os Dez Mandamentos

os_dez_mandamentos

Um martírio, assim posso definir o primeiro capítulo de Os Dez Mandamentos, nova novela da Record, que estreou nesta segunda-feira (23), às 20h30. A trama bíblica começou arrastada, cansativa e se continuar nesse ritmo, acompanhar 150 capítulos dessa história não será tarefa fácil, será uma verdadeira via crúcis.

Logo nas primeiras cenas, Os Dez Mandamentos já mostrou que seria uma novela parada. Cenas de ação em câmera lenta foram um verdadeiro sonífero, só não mudei de canal porque precisava ver até o fim e tirar uma conclusão justa sobre a estreia. Mas foi difícil, confesso!

A novela começou com uma chacina de bebês, pra causar impacto, mas não foi tão impactante assim. Afinal, é uma novela baseada em uma história bíblica e o que mais tem na Bíblia são fatos chocantes, violência e conflitos humanos de uma época. Aliás, quem espera algo “família” para uma novela bíblica, esqueça, quem já leu o velho e novo testamento sabe que sexo e guerras são constantes nos textos das escrituras.


Vivian de Oliveira, autora da novela, será uma heroína se conseguir transformar Os Dez Mandamentos em um sucesso. A Bíblia, principalmente o velho testamento, tem um texto denso, complexo e extremamente exaustivo, cheio de personagens com nomes diferentes (Hnutmire, Disebek, Num, Seti, Yunet…) e costumes estranhos, difícil o público se familiarizar com isso.

Fazer uma produção audiovisual de 2 ou 3 horas no cinema sobre um tema bíblico é mais simples e já fizeram dezenas de vezes. Utilizam apenas um foco central, geralmente batalhas típicas de um épico, uma aventura. Já na televisão, como série de 30 capítulos, se torna um pouco mais difícil, mas possível, como a Record já mostrou ser, com histórias mais enxutas e diretas como A História de Ester, Sansão e Dalila, Rei Davi, José do Egito e Milagres de Jesus. Agora, uma novela, com 150 capítulos, eu acho muito complexo. De duas uma, ou a autora vai inventar muita coisa e já inventou algumas (Beijo na boca era comum em cerimônias de casamento naquela época?) ou as barrigas serão enormes para prolongar a trama.

Por falar em inventar, se nós criticamos Aguinaldo Silva pelas “viagens” de Império, o que não vai faltar em Os Dez Mandamentos são “viagens”, na tentativa de criar romances e dramas, a autora vai, sem dúvida, recorrer a atitudes que não eram comuns no período antes de cristo.

A julgar pelo primeiro capítulo acredito que a novela será repleta de diálogos longos, chatos e cansativos, misturados com atuações de gosto duvidosos (quase Malhação) e uma direção não muito eficiente (o que me impressiona pois estamos falando de Alexandre Avancini, um grande diretor) essa mistura pode resultar em desgaste e falta de interesse do público no decorrer dos capítulos.

Por falar em atuações, não sei o que acontece, os atores saem da Globo e desaprendem a atuar. Se bem que, alguns deles, até na Globo eram ruins, quase figurantes. Será a direção ruim, ou o texto fraco? Não sei, só sei que parece que estou assistindo uma peça de teatro amador, com iniciantes. Não vou generalizar, mas o elenco da primeira fase de Os Dez Mandamentos deixa muito a desejar.

Mas nem tudo foi ruim, oposto ao texto e as atuações ruins, os cenários, figurinos e maquiagens são um primor, muito bem cuidados. Paisagens deslumbrantes, construções imponentes, roupas com detalhes incríveis, cabelos e barbas bem realistas. Também, gastar R$ 700 mil por capítulo, só poderia resultar em algo com, pelo menos, qualidade técnica.

Porém, devo ressaltar que, comparar com qualidade de cinema é um exagero, só se for com cinema dos anos 1970. As produções cinematográficas atuais tem qualidade de som e imagem muito superiores ao de uma novela, por melhor que ela seja. É muito simples, basta comparar Os Dez Mandamentos com o filme Êxodo: Deuses e Reis, lançado recentemente e com a mesma temática de Moisés. Mas enfim, acho até injusto fazer uma comparação dessas, só cito o fato porque muito se falou que a novela tem qualidade de cinema e, definitivamente, não tem. E vamos combinar, nem deve ter, televisão é televisão, cinema é cinema e ponto!

A audiência da estreia de Os Dez Mandamentos não foi uma maravilha, mas foi bom. Na média a novela marcou 9,7 pontos, com picos de 11, garantindo o segundo lugar, praticamente empatado com o SBT que no horário exibiu Chiquititas e parte de Carrossel e registrou 9,6 pontos de média. A Globo liderou com 20 pontos, número super baixo para a emissora, que a cada dia perde público. Mais atrás ficou a Band com 2 pontos.

No confronto direto com Chiquititas, das 20h29 às 21h08, Os Dez Mandamentos ficou em terceiro lugar com 9.3 pontos contra 9.7 do folhetim do SBT. No entanto, a novela bíblica da Record tirou a diferença no embate com Carrossel, e foi vice-líder em sua média-geral.

A novela anterior, Vitória, estreou com 8 pontos, mas em outro horário, após as 21 horas, por isso não seria a mais correta comparação, mas é o que tem pra hoje. Então, Os Dez Mandamentos superou a antecessora, mas quase perdeu para Carrossel, que é uma reprise. Analisando friamente o resultado da estreia, se eu fosse a Record me preocuparia, a curiosidade do primeiro capítulo já passou e a tendência natural é de queda, enquanto as novelas infanto juvenis do SBT tem público cativo. Eu não acredito que Os Dez Mandamento vá superar os 8 pontos de média daqui para frente, acho bem difícil.