Ana Paula Padrão é mera figurante em estreia do Master Chef


Ana Paula Padrão no Master Chef

Quem pensou que Ana Paula Padrão fosse ter grande destaque na estreia do Master Chef, na Band, na noite dessa terça-feira (2), enganou-se. A renomada jornalista, que estava sumida da TV desde que deixou a bancada do Jornal da Record e agora enveredou para o entretenimento, não passou de uma mera figurante de luxo no reality culinário.

Visivelmente deslocada, aos gritos e nada natural, Ana Paula, o pouco que apareceu, não agradou. O programa passaria muito bem sem ela, a escolha da jornalista para comandar a atração, a julgar pela estreia, foi apenas uma jogada de marketing, um nome de peso, para atrair anunciantes. Seria muito mais lógico se um dos jurados fosse também o apresentador, como acontece no Master Chef de outros países.


A escolha dos chefs jurados também foi equivocada, um reality que tem a missão de ser a versão brasileira de um programa de sucesso internacional, não poderia escolher 2 chefs gringos, o francês Erick Jacquin (Tartar&Co) e a argentina Paola Carosella (Arturito). Ambos marcaram o excesso do forte sotaque de suas línguas no programa. Algo totalmente desnecessário, já que há tantos profissionais da cozinha muito conceituados no Brasil. A exceção foi o chefe brasileiro Henrique Fogaça (Sal Gastronomia), mas nada simpático, há nomes melhores no mercado.

Apesar de serem gringos, Jacquin e Carosella mandaram muito bem, foram implacáveis com os cozinheiros que não foram bem e muito justos e elogiosos com os cozinheiros que acertaram na receita.

Como já era de se esperar, os jurados encarnaram os papeis de vilões, com cara de mal e super rigorosos, na maior parte do programa. Uma herança do temido Gordon Ramsay, jurado e apresentador do reality nos EUA. Até aí tudo bem, já que a ideia é colocar pressão nos candidatos a melhor cozinheiro do Brasil.

O Master Chef como um todo foi bem. O formato consagrado no mundo todo foi seguido a risca e promete dar tão certo quanto em outros países. Cenários caprichados e edição dinâmica valorizaram o programa.

A produção recebeu mais de cinco mil inscrições e apenas 16 participantes seguem na competição. O vencedor, ao final de 17 episódios, vai ganhar R$ 150 mil, um carro e uma bolsa de estudos de três meses na Le Cordon Bleu, renomada escola de gastronomia de Paris. O programa de estreia, além de apresentar ao público como funcionará o reality, exibiu as primeiras peneiras e desafios dos cozinheiros escolhidos.

No quesito audiência o Master Chef alcançou uma média de 4 pontos, com 6 de pico. Ficou em quarto lugar, atrás da Globo (13 pontos), Record (6) e SBT (6). Mas teve momentos de vice-liderança e grande repercussão nas redes sociais, chegou a ficar em primeiro no lugar nos Trending Topics (os assuntos mais comentados) do Twitter.

Como novidade na TV aberta brasileira, o programa deve render bons frutos para a Band, tanto em audiência quanto comercial. Em outubro o SBT lança o Sob Pressão, a versão brasileira de Hell`s Kitchen, outro reality culinário de sucesso mundial. Vamos aguardar e ver qual das atrações vai se sair melhor e cair nas graças do público.

Ana Paula Padrão no Master Chef