Hora do Faro repete fórmulas de sucesso na TV brasileira

Hora do faro

Rodrigo Faro estreou seu novo programa nesse domingo (27), mas de novidade mesmo só o nome. O Hora do Faro apresentou alguns quadros inéditos, mas claramente inspirados em atrações internacionais e outros quadros foram mantidos de O Melhor do Brasil, que foi extinto.

Segundo dados prévios do Ibope, a atração marcou 8,5 pontos de média com 15% de participação e 10 de pico, contra 15 da Globo, 8 do SBT e 5 da Band. No confronto contra o programa Eliana, Faro também foi vice-líder de audiência: foram 8 pontos da Record, contra 7 do SBT no horário.

Logo na abertura, Rodrigo Faro, imitou Silvio Santos e fez chover dinheiro na plateia. O quadro Topa um Acordo?, discaradamente uma versão reestilizada do Topa Tudo Por Dinheiro, é mais um game que dá prêmios aos domingos, algo mais velho que andar para frente.


Outros quadros também deram o tom da atração, Arruma Meu Marido, Confesso que Vivi, Te Quero de Volta, Domingokê e Hora da Virada. Nada, absolutamente nada novo, tudo literalmente copiado de outros programas do passado e da atualidade também, com algumas ligeiras modificações.

Sensacionalismo, chororô, emoção, música, assistencialismo, ingredientes que já deram certo com Gugu, Faustão e tantos outros, se repetem no Hora do Faro. Uma das piores partes do programa, no quadro Te Quero de Volta, Faro cantou a música Pai, de Fábio Jr. e foi um fiasco, desafinou, chorou e pagou mico. A gritaria geral nas redes socias era: Faro não cante, apenas dance, Dança Gatinho!

A surpresa boa ficou por conta do quadro Isso Eu Faço, onde famosos terão que provar que são capazes de fazer coisas inusitadas. Muito bem produzido, o show foi deslumbrante, com a participação de artistas de circo, bailarinos, cantores, luz e som, um verdadeiro espetáculo. Resta saber se nas próximas semanas os participantes do quadro, que são artistas do casting da Record e cantores, serão capazes de manter a grandeza da atração.

Outros destaques foram os cenários grandiosos, a emissora não economizou. Vale lembrar que a Record alugou os estúdios de cinema de Paulínia, cidade do interior de São Paulo, para os quadros Isso Eu Faço e Meu Marido é o Cara, do programa de Sabrina Sato.

No geral o programa foi bem, mas não inovou, basicamente vimos a mesma atração que já acompanhávamos há meses com o nome O Melhor do Brasil. Rodrigo Faro, ainda não é um grande apresentador, ouso dizer que ele tem piorado ao invés de melhorar. Como show é valido dizer que a atração agradou, tanto que teve um bom retorno do público, mas esperávamos mais de uma estreia anunciada como novidade e repito, de novidade não houve praticamente nada!