Monopólio televisivo e as grandes influências


Se a Rede Globo é criticada arduamente até os dias de hoje por ter sido favorecida na época do regime militar, não nos esqueçamos de que quem são os credores da Record, são aquelas pessoas auto intituladas de bispos e que querem morrer quando um fiel não contribui. Silvio Santos, que hoje tem horror da concorrência global e ‘brinca’ como um senhor infantil de lutar contra a Record, é aquele mesmo que visitou Brasília há alguns anos para pedir a ajuda do Governo Federal, após seu banco (o Panamericano) sofrer uma fraude e ver mais de quatro BILHÕES escorrerem pelo ralo. O governo na época fez o empréstimo, mas em troca solicitou o apoio da emissora para a eleição da senhora atual “presidenta” Dilma Rousseff, deu no que deu: O Partido dos Trabalhadores (PT), completa quase uma década consecutiva no poder.

Todas as emissoras de Televisão do Brasil guardam a sete chaves histórias que certamente mancharam seus nomes. No mundo dos ouros e pratas impera a tentativa de grandes empresas esconderem suas histórias obscuras embaixo de tapetes, assim surge a chamada moeda de troca e todos dependem dos enormes e sufocantes braços do Estado. É possível perceber que todas as redes ao invés de representarem o povo e fazer os governantes tremerem, tomam atitudes contraditórias: manipulando as informações e as transmitindo como bem querem e bem entendem, sem imparcialidade e compromisso com o telespectador.

Vamos parar de ser ingênuos ou hipócritas de taxar que a Rede Globo é o que é devido ao governo e ao apoio estatal, e que ela é a maior manipuladora do país. Todas são! Não existe se quer uma rede atual que não dependa da aprovação dos “chacoteiros e mensaleiros” de Brasília. De forma implícita e velada, o regime militar impera até hoje.


Sobre os números do Ibope, a Rede Globo é o que é devido a boa administração de Roberto Irineu Marinho, que ao lado de Boni e diversos outros grandes nomes, fizeram da emissora a segunda maior do mundo e é a mesma Globo da época de Boni que vê seus números e faturamento caírem diariamente, derrubando o monopólio televisivo, que um dia existiu e o maior culpado? O chefão, Carlos Henrique Schroder, que não tem porte algum para comandar a maior emissora do país e da America Latina! Sobre as emissoras, todas elas certamente ficam pianinho perto do “GIGANTE” que “ACORDOU” em meados de Junho deste ano e parece que novamente “ADORMECEU”.