Noveleira sim, e daí? | Babilônia continua sem convencer!


Que a novela não engrenou no começo a gente sabe. Não parou de pipocar notícias sobre isso, sobre as mudanças do comportamento do consumidor de novelas e televisão, sobre as personagens… até cansou. Mas acontece que muitas mudanças vieram e a novela está recuperando alguns pontinhos.

Mas continua sem convencer! A Inês, que no início da novela até atropelou personagem com carrinho de praia, não tinha sentimento de amor nem pelo marido e filha agora aparece com um sentimento de amor pelo pai? Ok. Isso a gente pode aceitar… mas a forma como essa história foi construída não convence. Vamos aos fatos:

Como já dito aqui no Observatório da Televisão, Babilônia está tomando um rumo bem próximo à Avenida Brasil. Parafraseando o Nelson Rubens: “OQUEI… OQUEI…” é normal os autores se inspirarem em novelas de sucesso! Mas acontece que em Avenida Brasil, nós, os telespectadores, fomos apresentados a história da Nina/Rita desde de o começo e formos convencidos de que a Carminha merecia receber a vingança e que Nina tinha sofrido o suficiente para querer uma. A gente sabia que não era certo, mas aceitava a situação. Carminha era a vilã e Nina não era bem uma mocinha mas tinha um passado sofredor.


Já em Babilônia, depois de já termos criado uma percepção da Inês vilã (gente ela é má, ela atropela pessoas com carrinho de praia – só eu me lembro disso?) e que viveu muito bem obrigada em Dubai, tivemos que engolir “guela” abaixo uma personagem que agora que ser a sofredora porque perdeu o pai que tanto amava? Detalhe, o pai apareceu na história do nada e não convenceu que merece ser vingado (por falar nele quem é aquele ator? “Pelamor” vai ser ruim assim lá em Chiquititas….). Tá difícil de engolir, né?

No começo da novela, quem tem memória inútil como eu vai se lembrar que a Inês não demostrava traços de vingança e sim de inveja. Invejava a Beatriz porque ela foi uma jovem bonita, magra e que pegava todos na praia e se tornou uma mulher rica , bem sucedida que soube dar o golpe do baú. A Inês queria ser a Beatriz e tomar o lugar dela e não se vingar. Disse váááááárias vezes, que quem merecia aquela vida era ela. Ela validou muitas maldades da Beatriz, até ajudou em algumas, e agora quer vingar a morte do pai? Então ela queria ter a vida da assassina do pai? Hummm… Não está convencendo.

Nem vou entrar hoje, neste texto, nos assuntos relacionados a falhas porque senão vamos ter um texto longo demais. Mas o que era a Beatriz de cabelo, maquiagem e unha feita na prisão?

Mas eu como boa noveleira que sou, reclamo, reclamo, reclamo e continuo assistindo. Confesso que passei alguns dias sem ver a novela por falta de tempo e por isso parei de escrever para o Observatório, afinal não podia escrever sobre o que não vi. Agora a noveleira está de volta!!!

Por Geovana Capovilla
www.facebook.com/geovana.capovilla