Série policial da Fox

Olha, a situação está tão delicada a ponto de uma produtora, que está preparando uma série para a Fox, ter recebido uma ligação da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo pedindo que sua gravação policial de rua fosse adiada.

Isso rolou na última quinta-feira (15), em São Paulo. A produtora, com todas as autorizações oficiais, usaria carros e armas fakes para a tal da gravação da série, pelas ruas de São Paulo. Acontece que na quinta foi o dia das grandes manifestações. E, só por segurança, para gato não passar por lebre, o governo entendeu que seria melhor deixar a gravação para outro dia.

Atores, produtores e figurantes agradeceram. E vc não agradeceria? Tá.


Dancing Days

Copacabana era o paraíso

Gente, e por falar em segurança, o que eu mais gosto em Dancing’Days (canal Viva, meia-noite, dá um Google) é justamente a segurança. A novela não se passa no Rio de Janeiro, mas em Copacabana. Em 78, Copacabana era Copacabana, cartão postal do Brasil, bem mais que o Riio.

Quando eu vejo Cacá, Antonio Fagundes, e Inês, Sura Berditchevsky, conversando dentro do carro, de vidros abertos, na maior tranquilidade do mundo, me dá até frio na espinha. E não aparecia um assaltante. Eu penso: isso ERA Copacabana. Se fosse hoje, não sobrava nem os parafusos da roda. Não vou falar mais nada.

Rachel Sheherazade se emociona com Eliana

Domingo foi dia de programa para a companheirada

Rachel Sherazade, a musa do PT, se emocionou, no domingo (18), no Programa da Eliana. É o que me conta a assessoria do SBT. Ao contrário de Eliana, Rachelzinha não tem botóx, não é mesmo, Ligia Kogos? Portanto, marcas para que te quero…

Devia ter ido no Domingo Legal, principalmente depois que Silvio disse ao Pânico que Portiolli é o pior apresentador de televisão. Uma ajudinha vem sempre bem, não é mesmo? Ui. Mas a turma da Eliana foi mais ligeira.

Tenho certeza de que a companheirada não perdeu. Eles merecem. Então pronto. Que graça.

Laerte e Virgílio brigam Em Família
A luta de Em Família é MMA: parece mas não é

O povo já está me ligando pra saber se a tal da luta de Virgílio é Laerte é propaganda de MMA. Ai, gente, não fala assim. O fato de eles se pegarem por trás, com cautela, quase carinho, não significa nada. É liberdade interpretativa. É coisa de Em Família latina. Tudo se faz, pouco se comenta. Eu só sei que a primeira vez que vi uma luta de MMA jurava estar assistindo às preliminares de um filme pornô gay. Ui. Mas hoje chamam de luta. Sinal dos tempos.

Bonner e Patrícia no Jornal Nacional

Com cuidado

E o Jornal Nacional, cheio de dedos, narrando a CPI da Companheirada, ops, da Petrobrás. Ai que preguiça. Gente, a coisa é mais simples: é um bando de ladrão travestido de revolucionário, com um monte de assessor de imprensa travestido de jornalista, todos falando amém. Outra luta de MMA. Parece, mas não é.

Glória Perez e Manoel Carlos

Disputa

A Franja Glória Perez está na glória. Manoel Carlos conseguiu fazer algo pior que ela. Já estão me ligando pra saber se Maneco também escreve em pé. A conferir.

Rede Gazeta

Panela fervendo

Na Gazeta, desde que o presidente Sérgio Felipe teve problemas cardíacos, no final do ano, tem galinha cantando de galo até agora. Cada vez que ele vai à emissora, seu coração palpita mais forte com as coisas que vê. Não vou falar mais nada. E a panela está fervendo. Ui.

Regina Casé cotada para substituir Faustão

Globo sempre usa Faustão para “limpar” barra

Bom agora aprenda mais essa. Quando a Globo quer limpar a barra de algum contratado que pisou na bola é simples: diz que o “artista” é cotado para substituir o Faustão. Ah vá.

Já fez isso com o Gersinho Huck, que vive pisando na bola, e, mais recentemente, com Regina Casé, que foi fazer barulho por seu bailarino assassinado no morro. Quando descobriram que ele estava até o pescoço envolvido com traficantes, que era até amigo do Cachorrão (olha o nome), a emissora correu plantar que ela está cotada para substituir o Faustão.

Tá boa? Que o Faustão está sucateado, até a milícia do Rio sabe. Desde então, o ex-gordo passou a ser o “limpa a barra” oficial da emissora, entendeu? Como se substituí-lo fosse o máximo. Sei. Aquele programa tinha que acabar, não ser substituído.

A propósito, semana passada, quando assassinaram na rua aquele PM, no Rio, você viu a Casé segurar plaquinha com “Eu Não Mereço Ser Assassinado”? Nem a lobista da Preta Gil nem a vencida da Carolina Dieckmann né? Então pronto.

Coluna do Dadá

*As opiniões expressas nesta coluna são de total responsabilidade de seu idealizador.