Rodolfo (Johnny Massaro) de Deus Salve o Rei
Rodolfo (Johnny Massaro) de Deus Salve o Rei (Divulgação/TV Globo)

Rodolfo (Johnny Massaro) está mesmo disposto a derrotar Augusto (Marco Nanini) e conquistar Artena, em Deus Salve o Rei, na Globo. Agora, ele vai negociar a rendição do inimigo, mas nem tudo saíra como ele quer.

“A vida nos reserva tantas surpresas, não é mesmo? Boas para uns, péssimas para outros. Da última vez em que estive nesse castelo, fui injustamente acusado… humilhado de forma vil… tratado como um pária… E agora… volto trazido pelos ventos do triunfo”, provocará Rodolfo.

Veja também: Alonso fracassa e exército de Montemor chega a Artena, em Deus Salve o Rei

“Cuidado, majestade. Os ventos costumam mudar repentinamente de direção. Artena só estará derrotada quando o nosso último homem cair”, rebaterá Catarina. “O que, pelo visto, não tardará a acontecer. Correto, Cássio?”.

“O castelo está totalmente cercado. Não há mais como resistir”, revelará Cássio. “Exatamente! E, sendo assim, decidi ser benevolente, mesmo com quem não merece, no caso… vocês. Venho então aqui para propor os termos de vossa rendição”, dirá Rodolfo.

“E quais seriam esses termos?”, falará Augusto. “Apenas um: rendição total e absoluta. Entreguem-me o castelo e ninguém mais será ferido. E garantirei que vossa majestade possa partir em segurança. Para longe daqui. Bem longe”.

“E por que você acha que eu faria isso?”. “Para não morrer?”. “Rodolfo, talvez você não concorde, mas existem coisas bem piores do que a morte”. “Como por exemplo…?”. “A desonra e a covardia”. “Tem razão: não concordo”.

“E você, meu irmão? Continuará do lado errado dessa guerra? Por nossos laços de sangue e também em respeito à memória de nossa amada avó, eu lhe ofereço uma última chance de deixar o castelo são e salvo”. “E eu recuso sua oferta, Rodolfo. Eu sempre fui contra essa guerra. E, portanto, devo permanecer ao lado de quem tentou manter a paz a todo custo. E lutou apenas para se defender. Eu darei minha vida, se preciso for… mas a darei por Artena”.

“Muito bem, só posso então lamentar a teimosia de todos vocês”, dirá Rodolfo. “É algo triste de se dizer, mas… é uma bênção que sua avó Crisélia não esteja mais entre nós. Deus a poupou de ver o próprio neto sujar as mãos de sangue de uma forma tão vergonhosa”, afirmará Augusto.

“Como ousa falar assim da minha avó?! Que o ataque tenha início o mais rápido possível”, ordenará, por fim, Rodolfo.