Gloria Pires como Elizabeth de O Outro Lado do Paraíso
Gloria Pires como Elizabeth de O Outro Lado do Paraíso (Divulgação/TV Globo)

Quando descobre que não vai poder doar o rim para Adriana (Júlia Dalavia) por ser alcoólatra, Beth (Gloria Pires) vai surtar em O Outro Lado do Paraíso. Ela vai chegar na casa de Clara (Bianca Bin) e começar a quebrar todas as garrafas de bebida. “Dona Beth, que a senhora tá fazendo? A senhora vai se machucar”, se assusta Janete (Daniela Fontan), que liga para a patroa. “Clara, socorro, é a tua mãe”.

Clara, Patrick (Thiago Fragoso) e Radu (Thiago Tomé) chegam e também se assustam com a cena. Renan (Marcello Novaes) chega logo atrás. “Que houve? Por que me chamou, Clara?”, pergunta. “O que houve ainda preciso entender. Minha mãe acaba de quebrar todas as garrafas desta casa”, diz a.mocinha. “Eu faço uma boa ideia do que aconteceu”, deduz. “Explique. Mãe, você também. Diga o que está acontecendo. Eu não entendo esse ataque”, pede.

Patrick vai dizer que também supõe o motivo e Renan vai perguntar se Beth foi ao hospital. “Eu fui no hospital”, confirma. “Sim, a minha mãe é compatível com a Dri. Vai doar o rim, foi saber o resultado dos exames…ah, mãe, você tem alguma doença séria?”, quer saber Clara. “Tenho. Eu mesma” responde. “Beth, sinceramente, é melhor você se explicar”, aconselha Patrick. “Explicar o quê? O que vocês sabem que eu não sei?”, se desespera a mocinha.

O Outro Lado do Paraíso: Beth procura Henrique e Jô para tirar satisfação

Beth vai assumir que depois que passou por morta começou a beber e dizer que Patrick sabia. “Eu descobri. Aconselhei sua mãe a parar. Mas ela não me ouviu”, confirma o advogado. “Eu não conseguia ouvir! Passei a sofrer tanto, tanto, com a rejeição da Dri, com o fato dela não querer me ver, que bebi, bebi. Bebi todo esse tempo”, lembra.

Clara vai lembrar dos desenhos tremidos que a mãe fazia e vai perguntar se Renan também sabia. “Sabia sim. E quando meu segredo foi descoberto, em
um encontro particular, eu disse que sabia o dela. A Beth às vezes vai pro meu flat. Bebe. Quando eu soube que ia doar o rim, fiquei com medo que houvesse algum problema. Foi isso, Beth?”, quer saber. “É sério, mãe?”, pergunta a mocinha. “Mais sério do que pode imaginar, Clara. Meus rins estão ótimos, eu seria uma excelente doadora. Mas meu fígado está comprometido. Início de cirrose. Pelo que entendi, ainda posso me tratar. Mas não posso ser doadora, não posso doar meu rim para minha própria filha. O médico diz que eu não resistiria aos medicamentos. Eu não sou boa, Clara. Eu não sou boa para minha própria filha”, se desespera

Clara tenta acalmar a mãe, que continua se culpando.”Mãe, e se você parar? Há alguma esperança?”, pergunta. “Pouquíssima. O fígado é um órgão que se recupera. Mas não há tempo, entende? Não há tempo para eu ficar boa e ter condições de doar meu rim. O tempo da Dri é curto. Muito curto. É por minha culpa que minha filha vai morrer. Por minha culpa”, diz Beth arrasada.