O Outro Lado do Paraíso: Sophia interna Clara em hospício

O Outro Lado do Paraíso
Clara (Bianca Bin) de O Outro Lado do Paraíso (Divulgação/ TV Globo)

As vilanias de Sophia (Marieta Severo) foram como refresco até agora em O Outro Lado do Paraíso. A partir de agora, a empresária vai mostrar que não está de brincadeira. Depois de apoiar a separação de Clara (Bianca Bin) e Gael (Sérgio Guize) e convencer a nora a passar suas terras para o nome do filho do casal, a vilã vai começar a agir.

Primeiro, ela chantageia Samuel (Eriberto Leão) para conseguir um medicamento que deixe a nora desequilibrada. Temendo ter seu segredo revelado a mãe, o psiquiatra cede as chantagens.

Sophia, então, contará com a ajuda de Lívia, que não sai da casa da cunhada, para ministras as doses necessárias do remédio. Não demora para Clara começar a ter visões e deixar todos ao seu redor assustados. Lívia liga para a vilã e diz: “Mãe, deu tudo certo, ela está fora de si”.


Veja também: Clichês e excesso de vilões prejudicam O Outro Lado do Paraíso

Sophia da o próximo passado para a filha e afasta Gael da cidade com a desculpa de ele procurar umas terras para a criação de gado. Uma série de acontecimentos leva a mocinha a prestar queixa na delegacia contra o ex-marido e o delegado acaba pedindo uma avaliação psiquiátrica.

No hospital, a vilã diz a Samuel: “Bote uma doença de cura impossível”. Ela ainda pede o médico para recomendar um lugar com métodos antigos onde os pacientes não saem nunca: “Já ouvi falar, só queria ter certeza do nome. Samuel escreve num papel “Hospício Santa Carmela”.

Com a desculpa de levar a nora para descansar em um spa, ela vai convencer Clara a deixar o filho com Lívia. As duas viajam para o Rio de Janeiro onde um motorista as espera e as leva para uma cidade praiana. “Para onde estamos indo?”, quer saber Clara. “Para um lugar seguro, bem seguro”.

As duas descem do carro, o motorista aponta uma lancha. Clara hesita, olha ao redor com medo. Elas entram na lancha com dois enfermeiros. No meio do caminho, Clara observa o penhasco e diz: “Senti um arrepio, eu não quero ir”.

De nada adianta, elas chegam ao hospício é só então a mocinha percebe o que está acontecendo. Ela corre para a porta, os enfermeiros a agarram e ela grita: “Me larguem, me larguem, socorro, eu não sou louca”. Enquanto Clara e levada dali, Sophia entrega o laudo psiquiátrico para o médico do local, que lê: “Esquizofrenia paranóica, não há cura”.