Caso Encerrado derruba a audiência do SBT


A tentativa do SBT de emplacar a versão dublada do mega sucesso da Telemundo “Caso Cerrado” não deu certo. O programa, comandado pela psicóloga Ana María Polo, estreou emissora de Silvio Santos, na segunda (17), e a audiência despencou.

Exibido na faixa das 18h30, em substituição ao “Chaves”, que vinha marcando médias de 5 pontos, o que já é considerado pouco, “Caso Encerrado” fez ainda pior.

Segundo dados do Ibope, em sua primeira semana de exibição, a atração fechou com média de 3,3 pontos na Grande São Paulo, contra 4,7 da semana anterior. A queda foi de 30%. Na sexta, o programa registrou 3,5 pontos e ficou em quarto lugar, atrás de Globo, Record e Band.


O SBT deixou claro que o programa seria experimental, inclusive pediu que os telespectadores opinassem sobre a ideia de exibir um programa dublado, já que a língua original é o espanhol. Caso desse certo a atração seguiria na grade, mas como não deu, “Caso Encerrado” deve acabar ainda esta semana.

Embora tenha uma dinâmica diferente, “Caso Encerrado” é bem semelhante ao “Casos de Família”, apresentado por Christina Rocha, aos sábados, no SBT. Conflitos entre pessoas são levados ao palco e analisados por psicólogos e pela apresentadora. A diferença entre os dois telebarracos é que o “Casos de Família” apenas expõe as situações e explora o conflito, já o “Caso Encerrado” tem a missão de julgar o conflito e orientar os envolvidos.

Nos EUA o programa é um fenômeno entre a comunidade latina. Está no ar desde 2001 e é uma das maiores audiências da TV americana. O formato também possui versões em diversos países da América Latina e faz sucesso. No Brasil poderia ter alguma chance de êxito, caso o SBT produzisse uma versão nacional. Mas como atração dublada não tem a menor chance de funcionar.